La Petite Princesse

“Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos”

Thiago dos Reis- Início do fim setembro 26, 2009

Filed under: Espelhos — Nathalia Galia @ 12:35 am

Um casal. Duas pessoas unidas por um fio chamado amor. Mas um dia, o fio se rompe. O laço se desfaz e o amor já não pode mais ser visto. Talvez porque ele nunca esteve lá. Ou porque esteve e não está mais. Tanto faz.

A maioria absoluta das pessoas sente dificuldades para terminar um relacionamento. Quantos casais arrastam a relação por semanas, meses, anos…

Mesmo quando a relação está ruim, tentamos mantê-la. Existem bilhões de pessoas no mundo e muitas delas podem ser felizes ao nosso lado. Mas não vemos isso, restringimos nosso campo de visão ao parceiro.

É tão bom sonhar e fazer planos de vida ao lado da pessoa amada quanto é ruim vê-los sumir em meio ao nada. Noites de conversa sobre onde morar, quantos filhos ter, as viagens, a lua de mel… Tudo em vão.

O trem da juventude é veloz…

A dor do fim não é por mim e nem por ela. É pela nossa casa de praia que me foi arrancada. É pela viagem à Bora Bora que não acontecerá mais. Fernando de Noronha, Veneza, Roma, Paris? No more, baby. A dor é pela demolição da casa com piscina que planejávamos. É pela lua de mel na Europa, é pelos filhos que morreram antes de nascer. Tudo desmorona como um castelo de areia.

Sem notar, agimos de maneira diferente com cada pessoa ao nosso redor. Somos carinhosos com uns, arrogantes com outros, ríspidos com outros. Parecemos intelectuais para uma porção de gente e palhaços para outra porção. Quando o relacionamento acaba, um desses “eus” interior morre. Nossa própria morte acontece dentro de nós. Isso dói.

Ao tentarmos salvar um relacionamento, tentamos salvar a nós mesmos, tentamos salvar a vida dos filhos planejados, salvar a casa que sonhamos e a vida a dois. Ignoramos que podemos recomeçar, aprender com os erros e traçar um novo caminho com mais acertos. Afinal, parece mais fácil continuar pelo caminho que já trilhamos, mesmo que este esteja errado.

Esquecemo-nos que somos autossuficientes e podemos trilhar o caminho que quisermos, quando bem entendermos. A hora de ser feliz é agora, sempre. Se somos jovens, devemos tomar atitudes. Haverá muito tempo para consertar os erros. Ao não tomar atitudes estamos perdendo tempo. É o tempo que nos fará falta um dia.

Thiago dos Reis é um relógio ambulante.